UNESCO pede a Portugal para abrandar construção da barragem de Foz Tua

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

UNESCO pede a Portugal para abrandar construção da barragem de Foz Tua

Mensagem  Mandrágora em Seg 2 Jul 2012 - 13:39




UNESCO pede a Portugal para abrandar “significativamente” construção da barragem de Foz Tua

O Comité do Património Mundial da UNESCO pediu hoje ao Estado português para “abrandar significativamente” a construção da barragem de Foz Tua até à realização de um estudo sobre os impactos da hidroeléctrica no Alto Douro Vinhateiro.

O comité da UNESCO está reunido em São Petersburgo, na Rússia.

Segundo disse à agência Lusa fonte do gabinete de imprensa da organização, o comité decidiu hoje pedir a Portugal “que abrande significativamente o trabalho na barragem, enquanto está a ser realizado um estudo sobre o seu impacto no local”.

O texto final desta decisão, segundo a fonte, só estará disponível no final do encontro, agendado para 6 de Julho.

No entanto, sabe-se já que o caso do Alto Douro Vinhateiro (ADV) voltará a ser analisado no próximo encontro da UNESCO, em 2013.

A proposta que estava em cima da mesa neste encontro recomendava a suspensão da construção da Barragem de Foz Tua, que se encontra em obra há 15 meses, entre os concelhos de Alijó e Carrazeda de Ansiães.

A obra começou pouco depois de uma passagem pelo Douro da ICOMOS, órgão consultivo da UNESCO, uma situação que fez com que o comité colocasse em causa o comportamento do Governo português ao longo do processo.

A ICOMOS considerou “grave” e “irreversível” o impacto da hidroeléctrica sobre o património mundial e, por isso, aconselhou a paragem das obras até à visita de uma missão conjunta ao local.

Recentemente, a ministra do Ambiente, Assunção Cristas, defendeu que a barragem de Foz Tua é compatível com a classificação do Alto Douro Vinhateiro como Património da Humanidade e afastou a possibilidade de suspender as obras por falta de verbas.

“Íamos a tempo de parar, se tivéssemos no nosso bolso os montantes para pagar as indemnizações necessárias, que são de várias centenas de milhões de euros”, disse Assunção Cristas no Parlamento.

O Partido Ecologista “Os Verdes” anunciou que enviou um contributo para o debate sobre o Douro, que decorreu em São Petersburgo. A dirigente Manuela Cunha explicou à Lusa que o documento se assume como um contraditório aos argumentos do Governo.

A responsável afirmou que o Património Mundial “não é compatível” com a barragem e salientou que ainda não existe ou está pronto o projecto de compatibilização da central hidroeléctrica com a paisagem, que a EDP encomendou ao arquitecto Souto Moura.

Não existe também, acrescentou, “nenhum estudo de impacte ambiental das consequências desse projecto”.

Manuela Cunha acusou ainda o Governo de “falta de informação” sobre o processo e de “nunca ter dado conhecimento das respostas dadas à UNESCO” sobre o ADV.

O Douro foi distinguido como Património Mundial da Humanidade em 2001.

Assunção Cristas referiu que a barragem ocupa apenas 2,9 hectares do ADV, o que representa 0,001 por cento do total da área, pelo que considerou que aquela infra-estrutura não causa grande impacto na paisagem.

Fonte: ecosfera.pt
avatar
Mandrágora

Mensagens : 327
Data de inscrição : 20/03/2012

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum